AMLINORTE
 
 
 
 
 
 
 
 
Prêmio Imortal
O prêmio IMORTAL é uma homenagem a pessoas ainda vivas que já contribuíram, fortemente, na área cultural, seja qual for sua área ou cidade de atuação. No Rio Grande Canta os Açores já receberam este troféu: JC Paixão Cortes, LA Assis Brasil, Antonio Augusto Fagundes (Nico Fagundes), Walter Galvani, Martins Livreiro, Airton Pimentel, Glenio Reis, Lílian Argentina, Vera Barroso...

Hoje a Associação Rota Açoriana (ARA...Vizualizar perfil completo
Perfil completo
17/06/2011 Lilian Argentina a incansável desbravadora da cultura do RGS
17/06/2011 Glênio Reis o primeiro Disc Jóquei.
Blogs
27ª Moenda da Canção
Aidyl Peruchi
Ana Claudia Gonçalves
Andrea Hilgert
Bola - Wind Fly
Cassia Message
+ Blogs
 
  Prêmio Imortal
 
17/06/2011
Lilian Argentina a incansável desbravadora da cultura do RGS


Na entrega do Troféu Imortal. Onde emocionou todo o público com suas histórias de vida.


LILIAN ARGENTINA BRAGA MARQUES

Filha de Ernesto Heitor Braga e Elena Renaud Braga, nasceu em Porto Alegre em 30 de abril de 1922 e faleceu em 5 de abril de 2006 também em Porto Alegre.

Professora, pesquisadora de Folclore, Tradicionalista, profunda conhecedora da cultura riograndense; seu conhecimento incontestável e atuação como pesquisadora e docente foi motivo de admiração e respeito por todos que a conheceram e tiveram o privilégio de com ela conviver.

Inteligência, competência e humildade foram alguns dos traços mais marcantes de seu caráter. Sua personalidade forte, decidida e batalhadora grangeou-lhe estima e respeito em todos os momentos de sua vida, em todos os locais onde atuou.
Professora e supervisora em escolas estaduais exerceu durante décadas funções de relevância junto comunidade, fazendo com que cada grupo tomasse consciência da importância de sua cultura e a valorizasse num contínuo processo de transmissão para as futuras gerações.

Residiu em Tramandaí por 25 anos, (onde nasceram seus filhos), foi diretora da Escola Almirante Tamandaré. Como supervisora escolar viajou pelo litoral, enfrentando estradas precárias e grandes trechos em canoas ou barcos pelas lagoas, para cumprir sua tarefa em escolas mais distantes e isoladas. Conheceu a região palmo a palmo e nesta época, por intuição e vocação iniciou-se como pesquisadora das manifestações de cultura popular. A partir de suas observações na região, mais tarde escreveu “O Pescador Artesanal do Sul”, com o qual recebeu em 1973 o “Premio Silvio Romero” de monografias de Folclore, concurso promovido pelo Ministério da Educação no Rio de Janeiro, editado pela Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro/ FUNARTE.

Em Tramandai, no ano de 1945 já pesquisava danças populares quando recolheu “A Jardineira”, que remontou na escola com seus alunos.
Na área de estudos de Folclore, cursou a Escola Gaúcha de Folclore da Secretaria de Educação, coordenada pelo Prof. Carlos Galvão Krebs, nos anos de 1969/70. Neste tempo teve por colegas no curso muitos nomes que atualmente se distinguem neste campo de trabalho.
Cursou “Folclore e Turismo” e “Folclore e Educação”. Freqüentou seis semestres de “Educação Artística” no Instituto de Artes da UFRGS. Em 1991, participou do Curso de Animadores de Folclore nos Açores, onde ministrou disciplinas relacionadas com a cultura açoriana no Rio Grande do Sul.

Em 1980, convidada pelo eminente folclorista João Carlos Paixão Cortes, então diretor técnico do Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore, a profª Lílian passou a integrar a equipe técnica, distinguindo-se em pesquisas de campo, palestras e comissões julgadoras. Em 1984, assumiu a coordenação do Setor de Pesquisa do IGTF, a convite da saudosa profª Dra.Rose Marie Reis Garcia, diretora técnica do Instituto entre 1983/1986. Seu notável desempenho na função marcou sua passagem naquele órgão estadual, aonde veio a aposentar-se.

Profª Lílian ao longo de sua carreira, ministrou cursos de Folclore Aplicado Educação, ao Turismo e ao Tradicionalismo, atendendo a convites de CTGs, Prefeituras, Sociedades, Escolas etc. Sua presença sempre propiciou afluência de significativo público, que buscavam conviver e aprender com tão brilhante quanto modesta professora.
Deixou seguidores, que honram seu nome.Todos que de alguma forma atuam na área seja na pesquisa ou ensino em algum momento cruzaram seus caminhos com o de Profª Lílian.
Nos últimos 40 anos participou de Encontros, Seminários, Simpósios e Congressos, no RS, Brasil e exterior. Na releitura da Carta do Folclore Brasileiro, realizada durante o 8º Congresso Brasileiro de Folclore, em Salvador, a Profª Lílian, juntamente com a Profª Rose liderou a equipe do RS, dando contribuições sobre todos os itens constantes do novo documento elaborado e que deverá nortear as ações culturais em folclore nos primeiros decênios do século XXI.
Como tradicionalista, destacou-se como posteira artística do “35 CTG”, e da “Academia de Policia da Brigada Militar”. Colaborou sempre com o Movimento Tradicionalista, onde foi Conselheira, participando dos Congressos, Convenções, Reuniões de |Patrões e outros, onde apresentava relevantes trabalhos.

Autora de diversas obras, algumas em co-autoria onde se destacam “Brincadeiras Cantadas” e “Jogos e Passeios Cantados” em co-autoria com Dra. Rose Marie Reis Garcia, de grande valor pedagógico e adquirido pelo MEC para distribuição em todo o pais;
“Aprendendo a Brincar” também em co-autoria com Dra. Rose é uma obra lúdica destinada a uma infância mais rica e alegre. “Rio Grande do Sul – Aspectos do Folclore”, em co-autoria com Paula Simon Ribeiro, Rogério Fossari Sanchotene e Sonia Siqueira Campos atualmente em 5ª edição foi adquirida pela Secretaria de Educação para distribuição nas escolas em todo o Estado. É autora de muitos artigos publicados em revistas e livros e tem duas obras no prelo, sendo editadas pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho. Deixou inúmeras pesquisas em andamento e obras a serem publicadas.

Foi presidente interina da Comissão Gaúcha de Folclore durante o período de reestruturação, posteriormente, confirmada como primeira Presidente da 2ª fase, onde teve brilhante atuação de 1992 a 1997. Em sua gestão buscou regularizar a Comissão, organizar e registrar o Estatuto, viabilizando a efetivação da Comissão nas atuais normas estabelecidas pela Comissão Nacional de Folclore. Em 1995/6, em cooperação técnica com o Departamento de Música do Instituto de Artes da UFRGS, foi ministrado curso de 180 horas de “Auxiliar de Pesquisa de Folclore”, tendo em vista a necessidade de ampliar os recursos humanos nesse campo de estudo. Vários egressos deste curso integram hoje a Comissão Gaúcha de Folclore.
Até poucos dias atrás ainda auxiliava colegas folcloristas orientando-lhes em diversos assuntos. Lúcida até o final de sua trajetória, mostrou-se uma guerreira na luta contra o mal que a vitimou.

Em 1998, por ocasião das festividades do Cinqüentenário da Comissão Gaúcha de Folclore, foi homenageada por esta instituição recebendo a Comenda Dante de Laytano.
Em 22 de agosto de 2000, passou a Presidente de Honra da Comissão Gaúcha de Folclore.

Por ocasião de seu sepultamento foi homenageada pela Comissão Nacional de Folclore com o Diploma que acompanha a “Medalha Brasileira Folclorista Emérito”, mais alta honraria concedida pela CNF, que lhe seria entregue por ocasião de sua aniversário dia 30 de abril. A medalha será entregue posteriormente família.

Mãe extremosa e dedicada, deixou a prantear-lhe a morte, os filhos José, Julien, Iara, Jacira, Moema, Lílian (Lasa), Salatiel, Miriam e Daisy , 15 netos e dois bisnetos.


Além dos prêmios e condecorações já citados, recebeu ainda:
1976 - Membro da “Associação Brasileira de Folclore” – São Paulo
1992 - “Comenda do Seival” – concedida pela Câmara Municipal de Tramandaí.
1992 - “Troféu Pioneiro” concedido pelo 35 Centro de Tradições Gaúchas.
1994 -“Troféu Destaque” em pesquisa realizada em colônia italiana – Bento Gonçalves.
1996 – “Prêmio Raízes de Santo Antônio da Patrulha”. RS
1998 – “Comenda Dante de Laytano” – concedida pela Comissão Gaúcha de Folclore.
2001 – “Medalha Simões Lopes Neto” – concedida pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul.
2001 – Titulo de “Conselheira Benemérita” do Movimento Tradicionalista Gaúcho.
2004 – “Prêmio Fernando Pessoa” – concedido pelo Instituto Cultural Português.
2004 – “Medalha Barbosa Lessa” – concedida pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho.
2005 – “Troféu Imortais” – concedido pelo Festival “Rio Grande Canta Açores” – em dezembro de 2005. Ultima homenagem em que esteve presente.
2006 – Diploma e “Medalha Brasileira Folclorista Emérito” – concedida post-mortem pela Comissão Nacional de Folclore. ( A honraria deveria ser entregue no dia de seu aniversário em 30 de abril).
       
 
 Post Anterior
17/06/2011
Glênio Reis o primeiro Disc Jóquei.
Deixe aqui seu Comentario
 
Blogs
Marina Raymundo da Silva
Escritora professora Branca Diva Pereira de Souza-2ª parte
Marina Raymundo da Silva
Escritora professora Branca Diva Pereira de Souza-1ª parte
Marina Raymundo da Silva
Imagem centenária de Santa Catarina de Palmares do Sul
Marina Raymundo da Silva
Medalha Dante de Laytano
Marina Raymundo da Silva
Lançamento de livro A Coberta dalma no L.N. do Rio Grande do Sul
Marina Raymundo da Silva
Lançamento de livro Navegação Lacustre Osório-Torres- 3ª edição
+ posts
Cadastre seu flyer + eventos
 
    Parceiros
 
Todo conteúdo, imagem ou opiniões publicadas aqui neste espaço é de responsabilidade civil e penal exclusiva do blogueiro.
 
 

www.rotaacoriana.com.br