AMLINORTE
 
 
 
 
 
 
 
 
Prêmio Imortal
O prêmio IMORTAL é uma homenagem a pessoas ainda vivas que já contribuíram, fortemente, na área cultural, seja qual for sua área ou cidade de atuação. No Rio Grande Canta os Açores já receberam este troféu: JC Paixão Cortes, LA Assis Brasil, Antonio Augusto Fagundes (Nico Fagundes), Walter Galvani, Martins Livreiro, Airton Pimentel, Glenio Reis, Lílian Argentina, Vera Barroso...

Hoje a Associação Rota Açoriana (ARA...Vizualizar perfil completo
Perfil completo
17/06/2011 Lilian Argentina a incansável desbravadora da cultura do RGS
17/06/2011 Glênio Reis o primeiro Disc Jóquei.
Blogs
27ª Moenda da Canção
Aidyl Peruchi
Ana Claudia Gonçalves
Andrea Hilgert
Bola - Wind Fly
Cassia Message
+ Blogs
 
  Prêmio Imortal
 
17/06/2011
Glênio Reis o primeiro Disc Jóquei.


Video do recebimento do Prêmio Imortal.


Veja o Blog do Glênio


ESCRITO POR RENATO MENDONÇA.
renato.mendonça@zerohora.com.br


No início da década de 1960, o iniciante Glênio Reis começava seus programas de rádio com o bordão entusiasmado “Alô Mamãe”. Em 2009, o veterano Glênio Reis inicia seu programa Sem Fronteiras, na Rádio Gaúcha AM e FM, com o bordão entusiasmado “Alô Mamãe”.

- É mesmo como se o tempo não passasse. Estou com quase 82 anos, mas sou o mesmo Glênio, com tesão pelo que faço, com a alma e o coração em festa – diz o disc-jóquei.

A festa que Glênio propõe parece não ter fim.

– Sem Fronteiras que vai ao ar aos sábados, entre 21h e meia noite, registra o triplo de audiência se comparado ao seu concorrente mais direto. O modelo do programa é radical: o comunicador não atende ligações telefônicas dos ouvintes, não recebe e-mails, não atende pedidos de música. O único critério é o lema “Sem preconceito, mas também sem lugar para a mediocridade”, o que abre espaço para bons discos independentes, uma sessão de tango e sucessos de Orlando Silva, Celine Dion, Eliseth Cardoso e César Passarinho.

- As pessoas ouvem o programa porque confiam em mim. Mais do que isso, porque sabem que vou surpreendê-las.

Quem examina os mais de 50 anos de carreira de Glênio não se surpreende que seu diferencial seja justamente o fator surpresa. Em 1958, ele foi pioneiro em reconhecer e divulgar a revolução que a bossa nova propunha na voz contida de João Gilberto, mas não abriu mão do humor ao inventar o personagem Sherlock que percorria as lojas de disco da Capital em busca de novidades para seus ouvintes. Nos anos 1960, ele saía com um gravador portátil – naquela época, portátil era algo quase do tamanho de duas caixas de sapato – pelo centro de Porto Alegre para entrevistar de populares a políticos. Nessa fase, o comunicador também aprontava na TV. No programa Disc é Jóquei, na TV Piratini, ele aparecia montado em um cavalo pangaré, vestido de jóquei para comentar ao vivo os lançamentos fonográficos. E não hesitava em colocar uma peruca e dublar Banho de Lua, fazendo as vezes de Celly Campelo.

Era de Glênio ainda o comando de GR Show, transmitido aos sábados tarde pela TV Gaúcha, no final dos anos 1960. Afinado com o iê-iê-iê vigente, o comunicador criou um conjunto para tocar os sucessos da época, novamente surpreendente:

- Colocamos um naipe de sopros ao lado de guitarras, baixo e bateria.

Mais perto dos anos 1970, Glênio colocou nas ondas do rádio o Programa da Pesada, que não fechava portas nem ouvidos para atrações roqueiras, como Jimi Hendrix, Led Zepelin ou Steppenwolf. No front local, incentivava grupos como o Liverpool Sound, que mais tarde se transformou no Bixo de Seda. Nos anos mais recentes, foi uma das principais vozes do nativismo, transmitindo festivais desde o Interior pela Rádio Gaúcha.

Ainda que continue entusiasmado, Glênio diz que se sente insatisfeito com a música que se faz atualmente:

- Onde está um letrista como Aldir Blanc? Os artistas parecem mais interessados na parte visual do que na musical.

Frente a alguém tão antenado em música, só falta perguntar: “E o senhor nunca quis ser músico?”

- Ainda bem que não. Tenho todas as músicas na cabeça, harmonias de Chet Baker a Led Zepelin, de Sérgio Rojas a Chico Buarque. Mas ia ser minha perdição, eu ia comer, beber, viver e morrer música.


_______________________________________________________


Glênio Reis, que ficou conhecido como o primeiro comunicador a ser chamado de disc-jóquei no Rio Grande do Sul, monta o repertório dos seus sonhos:


Músicas:
* All by Myself, * All the Way, * New York, New York, * Something, * Satisfation, * "Penny Lane".
Intérpretes:
César Passarinho, Chico Buarque, Ellis Regina, Tom Jobim, João Bosco e Aldir Blanc, Orlando Silva, Pixinguinha.
       
 
  Próximo Post
17/06/2011
Lilian Argentina a incansável desbravadora da cultura do RGS
Deixe aqui seu Comentario
 
Blogs
Marina Raymundo da Silva
Escritora professora Branca Diva Pereira de Souza-2ª parte
Marina Raymundo da Silva
Escritora professora Branca Diva Pereira de Souza-1ª parte
Marina Raymundo da Silva
Imagem centenária de Santa Catarina de Palmares do Sul
Marina Raymundo da Silva
Medalha Dante de Laytano
Marina Raymundo da Silva
Lançamento de livro A Coberta dalma no L.N. do Rio Grande do Sul
Marina Raymundo da Silva
Lançamento de livro Navegação Lacustre Osório-Torres- 3ª edição
+ posts
Cadastre seu flyer + eventos
 
    Parceiros
 
Todo conteúdo, imagem ou opiniões publicadas aqui neste espaço é de responsabilidade civil e penal exclusiva do blogueiro.
 
 

www.rotaacoriana.com.br